terça-feira, 14 de agosto de 2012

O futuro do sector leiteiro


É este o leite que queremos vender no exterior?


A aposta do sector leiteiro nos Açores deve passar necessariamente pela qualidade, pois é unicamente esta que pode garantir o futuro dos seus excelentes produtos.

No entanto, duas graves ameaças pairam neste momento sobre essa qualidade. Em primeiro lugar, a actual alimentação das vacas com rações que contêm milho transgénico (milho que é importado de fora dos Açores) e cujos compostos químicos podem passar ao leite.

E em segundo lugar, a futura construção de duas incineradoras (em São Miguel e na Terceira) para queimar o lixo doméstico, incineradoras que vão trazer consigo a inevitável emissão para o ar de compostos químicos altamente nocivos e perigosos para a saúde, todos eles presentes depois no leite.

Em definitiva, vamos ter leite multiplamente contaminado.

Afinal, qual é o futuro que queremos para o sector leiteiro dos Açores, se é que existe realmente vontade política de que este sector tenha futuro? E para quando a necessária aposta regional no leite em modo de produção biológico?

2 comentários:

RideOn World Tour disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristina Silva Sky disse...

I´m responsible for the organic farming in the rural tourism company I work for in S. Miguel. Unfortunately, the organic certification companies are still expensive, as are the organic seeds we still need to buy before trying to save them for the next year and the organic certified inspectors are really not paying much attention, as long as they get their yearly pay. We are rapidly being surrounded by GM corn crops, and our organic corn and bees are in danger. The ladybugs are really scarce now to aid plants, our streams are being polluted with the dairy farm excrement and plastics they use to cover up the cut grass and corn poisoned with roundup and fertilizers. It all ends up in the ocean, where there is a significant decrease in coastal life. This I can all account for in the course of two decades, since my early years, it´s so apparent. Alarming. What to do? Spread the word locally and internationally is what I can manage.