terça-feira, 31 de maio de 2011

Tempo de antena - 2

Tempo de Antena da CDU para as Eleições Legislativas 2011, com intervenções dos Candidatos do Partido Ecologista "Os Verdes", nas listas da CDU.


OGM na Terceira

Agricultores biológicos da Terceira contra milho geneticamente modificado
http://www.acorianooriental.pt/noticias/view/216290

Os produtores da Terceira, Açores, estão "preocupados" com as experiências que, alegadamente, estão a decorrer em duas explorações desta ilha para a produção de milho geneticamente modificado, afirmou hoje à Lusa um especialista local em agricultura biológica.

“Suspeitamos de que duas explorações agrícolas do norte da ilha Terceira foram seduzidas para uma experiência que condenamos, uma vez que o nosso objectivo é os Açores serem uma região livre de organismos geneticamente modificados”, frisou Avelino Ormonde, produtor biológico há 13 anos e formador sobre agricultura biológica.

Na sequência desta preocupação, está marcada para o final do dia de hoje uma reunião de vários produtores de agropecuária, hortofrutifloricultura e mel, durante a qual será discutida a eventual adopção de “acções que não levantem confrontações, mas eliminem o problema”.

“A tentativa de fazer a experiência terá começado na ilha Graciosa mas, como é um meio muito pequeno e reserva da Biosfera, voltaram-se para a Terceira”, afirmou Avelino Ormonde.

A preocupação dos produtores da Terceira surge numa altura em que decorre na Internet uma petição que visa proibir o uso de organismos geneticamente modificados nos Açores.

Os promotores salientam que o arquipélago se destaca pela singularidade no que respeita às práticas da actividade agrícola, caracterizadas por uma associação com os valores naturais e agro-ambientais.

Nesse sentido, salientam que as ilhas açorianas são uma zona rica em agricultura tradicional, onde se destacam pela qualidade produtos regionais certificados como a meloa de Santa Maria, o ananás de S. Miguel, o alho da Graciosa, as laranjas da Terceira ou os vinhos do Pico.

As produções de milho geneticamente modificado que estarão em experiência na Terceira, segundo Avelino Ormonde, “contêm o BT-Bacillus Turigensis, que é usado como inseticida por muitos agricultores biológicos, por ser muito ácido e seletivo para combater as lagartas”.

Avelino Ormonde recordou que “nos EUA foram feitos testes em plantações de algodão e, ao fim de 10 anos, apareceram bolinhas amarelas e alaranjadas no solo, que se provou serem concentrações de bacilos BT”.

“Até que se prove que os organismos geneticamente modificados são inócuos, queremos que os Açores sejam livres, para garantir produtos com marcas saudáveis e, por isso, o objetivo é não permitir a sua utilização nas ilhas”, frisou.

Lusa/AO online





Assine a petição


sábado, 28 de maio de 2011

Hipnose

Olhe atentamente esta imagem. Você está cansado, muito cansado. Sente que as suas pálpebras estão a fechar-se lentamente, muito lentamente. 1… 2… 3… Você vai carregando no comando e mudando de canal… 5… 6… 7… E ao chegar ao décimo canal os seus olhos vão ficar fechados… 9… 9 e meio… 10… Os seus olhos estão agora completamente fechados. Mas vão abrir-se, pouco a pouco, e vão ficar abertos, muito abertos. E fixos, sempre fixos, na mesma imagem.

Você vai acreditar agora em tudo aquilo que aparece na imagem. Tudo é verdade. Estamos em plena crise económica. Você vai esquecer que todos os anos da sua vida ouviu dizer que estamos em crise económica e que era preciso baixar, uma e outra vez, o seu ordenado. A crise económica deste ano é a única de que você vai lembrar-se, a única que sempre existiu. E é preciso, mesmo inevitável, baixar desta vez, só desta vez, o seu ordenado, a sua pensão.

Sim, a ajuda externa é mesmo uma ajuda. O mundo das grandes finanças internacionais o que faz é isso: ajudar os países, ajudar as pessoas. Eles são tão bondosos, tão desprendidos do seu próprio dinheiro! Esqueça que o dinheiro que vão emprestar-nos vai directamente para os bancos e para o bolso dos nossos credores, eles próprios parte desse mesmo mundo das grandes finanças internacionais. Esqueça tudo isso. Esqueça ainda que quem nos empresta esse dinheiro vai ganhar grandes dividendos. E que vai ser você a pagá-los.

Agora acredite nisto: a política de direita é inevitável. Não existe outra opção. O governo aplica a sua política porque é inevitável. Ele não quer fazê-lo, mas fá-lo porque é obrigado pelas circunstâncias, porque são pessoas responsáveis. São autênticos heróis porque têm de fazer, uma e outra vez, aquilo que não querem fazer. E fazem-no, repare nisto, mesmo quando nem sequer é preciso. Uns heróis, são uns heróis. São pessoas cheias de coragem porque estão sempre dispostas a bater no ceguinho. Você acredita nisto. E os que sempre os apoiaram até agora também são pessoas sérias e responsáveis. Eles querem fazer o mesmo para demonstrar assim que são diferentes. Você também acredita nisto.

Lembre-se. Você pode mudar de canal sempre que quiser. Não importa. Todos os canais são nossos. Você vai ouvir a opinião dos comentadores que pomos em todos os canais. E vai acreditar neles. É certo que temos muito trabalho em arranjar pessoas como eles, dispostos a mostrar abertamente, em público, a sua estupidez. Mas vale a pena. Rimo-nos tanto com eles! Mas atenção: você não vai rir. Você vai acreditar naquilo que dizem.

Agora você vai voltar ao primeiro canal… 10… 9… 8… E quando lá chegar você não vai lembrar-se de nada… 6… 5… 4… De facto, você nunca se lembra de nada… 3… 2… outra vez 2 (carregue melhor no comando)… 1… Agora os seus olhos estão novamente abertos. E continuam a ver a mesma imagem à sua frente. Sim, lembre-se: hoje é dia de eleições. Você vai votar. Você vai votar hoje numa opção responsável. Numa opção séria e responsável. Credível, honesta, com sentido de estado.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Tempo de antena - 1

Tempo de Antena da CDU para as Eleições Legislativas 2011, com intervenções dos Candidatos do Partido Ecologista "Os Verdes", nas listas da CDU.


terça-feira, 24 de maio de 2011

A Razão da CDU

A Razão da CDU - Levada até ao voto
por Heloísa Apolónia (Deputada do PEV)
Setúbal na Rede

Às vezes ponho-me a reflectir sobre como o tempo tem dado razão à CDU. Quando advertimos para as consequências de políticas erradas, fomos sempre acusados de anti-modernismo e de profetas da desgraça. Hoje, quem se der ao trabalho de recuar um pouco no tempo, dirá, inevitável e inegavelmente, que só a CDU tinha razão!

Quando nós chamávamos a atenção para este modelo de construção europeia, que marchava a 2 velocidades e formava a Europa das grandes potências e a Europa dos pequeninos, onde Portugal se incluiria, diziam-nos que não era nada assim, que nós atingiríamos o topo da Europa, eram só maravilhas, e com o euro mais maravilhas se avizinhavam. Hoje todos percebem que a Alemanha comanda os destinos da UE, que a UE muito dinheiro em Portugal para destruirmos a nossa actividade produtiva e para países como a Alemanha ganharem aqui um novo mercado (foi dinheiro investido com bom retorno para eles, mas uma desgraça para nós, tornando-nos mais e mais dependentes do exterior). Hoje talvez seja mais fácil perceber-se o que a CDU dizia e diz quando defende uma EU diferente, uma Europa de Estados solidários e cooperantes que não se aniquilem, mas que se valorizem nas suas diferenças.

Quando nós dizíamos que aqueles PEC aprovados entre o PS e o PSD, que aqueles famigerados PEC eram o caminho para a recessão e para a criação de desemprego galopante, respondiam-nos que nós tínhamos uma visão deturpada, que aquilo eram os “milagres” para o país, que cada um deles era a salvação nacional. Hoje percebe-se que essas pacotes de austeridade representaram o nosso afundamento económico e social e que acrescentaram degradação à fragilidade económica.

Tantos mais exemplos poderia aqui dar, para que se reconheça que a CDU tem uma visão tão, mas tão, realista desta sociedade.

Hoje a Troika, juntamente com o PS, o PSD e o CDS apresenta-nos um acordo dramático do ponto de vista social e económico (porque ele próprio admite representar recessão económica e mais desemprego), como o preço a pagar por um empréstimo internacional que vamos pagar a taxas de juro incomportáveis. Não aceitar esse preço é um dever cívico de todos nós.

Atendendo à situação a que chegámos, sinto uma legitimidade acrescida, sustentada na razão que a CDU sempre demonstrou, para pedir que, hoje mais do que nunca, confiem na CDU. Confiem na nossa avaliação, confiem no trabalho que desenvolvemos, na coerência que sempre demonstrámos, na determinação que sempre pautou a nossa intervenção, nas propostas alternativas que apresentamos (que hoje uns dizem ser impossível – como a renegociação das nossas dívidas – mas que amanhã considerarão inevitável). Mas, agir enquanto é tempo, é um imperativo nacional. É com a legitimidade de quem está na política de uma forma muito séria, empenhada e realista, e por tanto do que ficou dito e do que nem foi dito, que o meu apelo é para que reforcem a força da CDU no próximo dia 5 de Junho.

Um PCP e um PEV com grande peso na Assembleia da República são um PCP e um PEV com influência governativa. Portugal precisa de mais CDU, use o seu voto como a arma de defesa da razão.

Heloísa Apolónia
18-05-2011

sexta-feira, 20 de maio de 2011

CDU alerta: PS e PSD comprometem futuro do aeroporto de Santa Maria

Os candidatos Daniel Gonçalves e Ana Loura, bem como outros activistas da CDU, participaram hoje uma acção de contacto com a população no centro de Vila de Porto, na ilha de Santa Maria.

Daniel Gonçalves alertou para o perigo que corre o Aeroporto de Santa Maria, por via da possível privatização da ANA Aeroportos. Algo que seria desastroso para a ilha, mas que PS e PSD subscreveram no seu acordo com o FMI.

O candidato recordou que a CDU defende o sector da produção nacional como via principal e motor de desenvolvimento económico: “neste sentido defendemos, sobretudo nos Açores, o consumo local, a recuperação e a consolidação do mercado interno; não se compreende como é que importamos quase 90% do que consumimos; não se compreende como é que importamos alfaces, laranjas, batatas ou couves... é possível cada ilha ser o seu próprio quintal”, afirmou.

O Partido Ecologista Os Verdes defende a agricultura familiar e biológica como forma de evitar a dependência das importações e o uso eficiente de energia, a redução do consumo de combustíveis fósseis e a aposta nas energias renováveis. Igualmente, os deputados da CDU defenderão a gestão pública da água não permitindo a sua privatização, assegurou Daniel Gonçalves.

Recordou ainda que a CDU não quis fazer parte das forças políticas que subscreveram o memorando de entendimento com o FMI sobretudo porque ele põe em causa a soberania nacional e custará 30 mil milhões de euros só em juros nos próximos anos. “Para a CDU a única forma de salvaguardar o futuro do país e evitar a bancarrota é reestruturar a dívida, não estando em causa a dívida, mas sim o facto que ela não é pagável, por causa dos sucessivos governos de PS, PSD e CDS.”

O candidato apelou ainda ao voto na CDU, sublinhando que José Decq Mota foi o primeiro deputado do PCP na ALRA e tem uma longa experiência política, de luta pelos direitos dos trabalhadores e de uma sociedade mais justa, e que ele é a melhor pessoa para defender os interesses dos Açores na Assembleia da República. “Há alternativas democráticas para esta crise e a CDU é a solução.”, afirmou o candidato.

CDU Açores
Gab. Imprensa
18 Maio 2011


terça-feira, 17 de maio de 2011

Campanha CDU

Ilha de Santa Maria:

Quarta-feira, dia 18 de Maio.
Vila do Porto
10h00


Contacto com a população em Vila do Porto.
Com o candidato do PEV Daniel Gonçalves.


Agenda da campanha da CDU: http://www.cduacores.net

terça-feira, 10 de maio de 2011

Pela proibição dos OGM nos Açores




Assine a petição


Petição pela proibição do cultivo de variedades de organismos geneticamente modificados (OGM) na Região Autónoma dos Açores

Considerando que os Açores primam pela sua singularidade no contexto nacional e internacional no que respeita às práticas da actividade agrícola, caracterizadas por uma associação com os valores naturais e agro-ambientais.

Considerando que o arquipélago dos Açores dado às suas características edafoclimáticas - solos férteis, chuvas frequentes e clima ameno - se revela uma zona rica em agricultura tradicional, onde incluso se destaca pela qualidade dos produtos regionais certificados, servindo de exemplo a Meloa de Santa Maria, o ananás de São Miguel, o alho da Graciosa, as laranjas da Terceira ou os vinhos do Pico.

Considerando que as sementeiras convencionais utilizadas na agricultura tradicional, constituem uma herança genética de valor intrínseco incalculável que cabe a todos nós preservar para as gerações vindouras.

Considerando que a introdução e o cultivo de organismos geneticamente modificados são frequentemente contestados como colocando sérias ameaças para a saúde pública, o ambiente e o desenvolvimento da agricultura tradicional.

Considerando a falta de estudos científicos por parte de entidades de reconhecida competência técnica que comprovem a não existência de riscos para a saúde pública relativamente ao cultivo e consumo de organismos geneticamente modificados.

Considerando que o cultivo de organismos geneticamente modificados está baseado num modelo de agricultura intensiva com forte recurso a produtos agro-químicos, de fabrico exterior à região, cujo uso frequente constitui uma séria agressão ao ambiente.

Considerando que tanto o tipo de agricultura de produção massiva à qual os OGM estão intimamente associados como a coexistência de cultivos convencionais em simultâneo com cultivos contendo OGM colocam em causa as tradições agrícolas locais regionais, bem como o facto de sujeitarem as variedades de cariz local a uma contaminação genética irreversível, levando a que as variedades tradicionais acabem por converter-se também em transgénicas.

Considerando tratar-se de numa região que se faz enaltecer por um turismo de natureza não se podem assumir atitudes susceptíveis de hipotecar a sensível e característica biodiversidade arquipelágica.

Assim, atendendo ao Principio da Precaução, os signatários da presente petição solicitam:

- A proibição da introdução no Arquipélago dos Açores de variedades vegetais geneticamente modificadas.

- A proibição da introdução na região de material de propagação (vegetativo ou seminal) que contenha organismos geneticamente modificados, mesmo quando destinados à sua utilização em campos de carácter experimental.

- A definição de um regime contra-ordenacional e de sanções acessórias, tais como a interdição do exercício da actividade principal, para as infracções associadas a estas proibições.

- A declaração da Região Autónoma dos Açores zona livre de cultivo de variedades de organismos geneticamente modificados.

Assine a petição



Mais informação sobre OGM na Plataforma Transgénicos Fora.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Universidade, sadismo e negócios

Mais uma vez a Universidade dos Açores vem à rua mostrar ao público o que de pior há no seio desta instituição. Bem longe, quase esquecidos, parecem ficar os seus nobres ideais de elevar a cultura e a educação do nosso povo açoriano, ideais que exemplarmente nortearam a sua fundação. Neste momento a Universidade, longe de pretender formar cidadãos cultos e responsáveis, parece querer contribuir para a degradação da condição humana.

O sadismo é definido pelo dicionário como “perversão que consiste em tirar prazer do sofrimento alheio”. Mais vergonhoso resulta esse sadismo quando o dito prazer é tirado de pessoas mais fracas ou indefesas, ou mesmo de animais. Ora, o que a garraiada organizada este ano dentro da Semana Académica da Universidade dos Açores pretende e mesmo isso: tirar prazer e diversão do sofrimento exercido sobre um animal. Pode haver coisa mais divertida que abusar de alguém mais fraco? Pode haver coisa mais extraordinariamente divertida que maltratar um animal? …E todo para grande diversão e entusiasmo duma rapaziada sádica e descerebrada que, quem diria, frequenta o ensino universitário.

Afinal, o que revela tudo isto sobre a qualidade de ensino da universidade açoriana? Leve os seus filhos a Universidade dos Açores, pague grandes propinas e garanta com isso que os seus filhos ficam mais burros, periodicamente bêbedos e ainda aprendem a divertir-se maltratando animais. Rica inversão para as cada vez mais difíceis economias familiares!

Mas a autêntica questão é quem faz negócio com tudo isto. Tal como anuncia o cartaz da grande festa a realizar em Ponta Delgada, os animais maltratados são novilhos trazidos da Terceira (ganadaria de João Gaspar). E ainda são trazidos também vários macacos da Tertúlia Tauromáquica Terceirense para ensinar aos estudantes micaelenses as formas mais divertidas e engraçadas de torturar os animais. Há muito dinheiro envolvido nesta festa. E não são, de certeza, os estudantes a pagar todas estas viagens e deslocações. Quem paga esse dinheiro é o negócio que está por trás da realização destas e outras touradas na ilha de São Miguel. É um negócio que, só na ilha Terceira, move um volume de dinheiro que poderia estar a volta do milhão de euros por ano. É um negócio que vê na ilha de São Miguel uma grande oportunidade de ganhar ainda mais dinheiro, uma grande oportunidade de perpetuar uma indústria que faz do sadismo e dos muitos subsídios públicos que recebe o seu bem lucrativo negócio.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

segunda-feira, 2 de maio de 2011

A pena de morte e a Europa

Ilude-se quem pensa que a pena de morte, nos nossos dias, não faz parte da cultura europeia. Ilude-se quem pensa que é um acto bárbaro condenado pelo nosso actual e civilizado pensamento europeu.

A sua morte é uma grande conquista”, segundo o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, e o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso. “Acordámos num mundo mais seguro esta manhã”, segundo o presidente do Parlamento Europeu, Jerzy Buzek. “É um grande sucesso”, segundo o primeiro-ministro britânico, David Cameron. “As forças de paz foram bem sucedidas na noite passada”, segundo a chanceler alemã, Angela Merkel. “Esta é uma grande conquista”, segundo o ex-primeiro-ministro britânico, Tony Blair. “É uma enorme vitória”, segundo o ministro da Defesa português, Santos Silva.

Surpreende esta ferocidade nas declarações dos governantes e dos altos mandatários europeus. E tudo isto em relação à morte violenta duma pessoa… Morte? Assassinato? Execução? Pessoa? Herói? Demónio? A realidade tem aqui diferentes nomes.

Deveriam ser os altos mandatários desta nova Europa, desta Europa que se diz civilizada, os primeiros a defender os direitos humanos em qualquer lugar do mundo e em quaisquer circunstâncias. Mas afinal a refinada civilização europeia é só para aplicar dentro das próprias fronteiras. Fora delas, mais uma vez, é só a barbárie: no Afeganistão, na Líbia, em Guantánamo…

E agora, com esta morte, os aliados ocidentais vão ter de inventar –que chatice– um novo culpado para todos os males do mundo, um novo inimigo para poder justificar novos e reiterados atropelos contra os direitos humanos nesta luta gloriosa e interminável contra o chamado eixo do mal.