quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Monumentos

Os povos levantam monumentos àquilo que, no seu imaginário, constitui um modelo a seguir ou se configura como uma manifestação representativa do seu espírito colectivo.

O monumento ao Touro pensante existente em Barcelona revela, talvez, o espírito dum povo que se esforça por manter um olhar profundo sobre coisas tão aparentemente simples ou banais como a figura dum touro. O touro pensante, sentado no seu pedestal, reflecte acerca daquilo que se encontra ao seu redor, acerca das pessoas que passam, acerca do mundo… talvez acerca da origem e destino de todas as coisas. E pensando ele, e pensando também as pessoas sobre ele, a sua figura ganhou talvez, ao longo dos anos, algum tipo de respeito e reconhecimento público. E foi se calhar por isso que, no passado ano, as corridas de touros foram finalmente proibidas na cidade, nomeadamente numa praça chamada A Monumental.

Diga-se, já agora, que este monumento ao touro, de pouco mais dum metro de altura, foi sem dúvida bastante baratinho.




Pelo contrário, na Terceira foi agora levantado um monumento ao touro bem diferente. 150 mil euros pagos pelo governo regional, isto é, pagos por todos nós, serviram para isto. Esta opulência de dinheiro permitiu que o monumento não tivesse só um touro, mas três. E que todos eles tivessem não um, mas sim vários metros de altura.

O seu propósito é impressionar o freguês, provocar o medo dos homens, o desmaio das mulheres… e a gargalhada das crianças. Qual será, com tudo isto, o propósito do nosso governo, neste caso tão generoso com as artes e com os fundos públicos?

Mas, olhando para este monumento, podemos perguntar-nos algo ainda mais importante. Podemos perguntar-nos: qual será o espírito deste nosso povo?




1 comentário:

Sofia Vilarigues disse...

Questões interessantes :-)